CICLISMO e CICLOATIVISMO
A DGE Corretora de Seguros apresenta seu servico de Seguro de Bicicletas - voce NAO VAI SE LIVRAR da famosa "ficha cadastral", mas a contratacao pode ser feita 100% on-line e isso e uma coisa otima.

Veja em quais situacoes contar com a DGE Corretora de Seguros:

ROUBO E FURTO QUALIFICADO - protecao contra roubo e furto da bike, durante o uso ou enquanto guardada ou transportada.

ACIDENTES - cobre os custos de reparo ou reposicao em acidente coberto, enquando o Segurado pedala ou transporta a bike.

RESPONSABILIDADE CIVIL - cobertura garantira os danos causados a terceiros durante a vigencia da apolice.

COBERTURA EM TODO O TERRITORIO NACIONAL - protecao em todo o Brasil, alcancando os 26 estados mais o Distrito Federal.

OUTROS PONTOS POSITIVOS A CONSIDERAR

- App Mobile, Central de Beneficios, Pontos Multiplos, Sala de Emergencia, Furto em Territorio Nacional, Danos Materiais a Terceiros, Danos Corporais a Terceiros, Acidente com veiculo transportador, Acidente enquanto pedala, Danos Parciais decorrente de acidente coberto, Pagameto com Cartao de Credito, Parcelamento sem juros, Cobre danos causados durante competicao.

A FICHA CADASTRAL PARA SOLICITAR ORCAMENTO VOCE ACESSA NESTE LINK

https://sites.google.com/site/seguroparabikes/arquivos/Ficha%20Cadastral%20Bike.xlsx

PREENCHA A FICHA E MANDE PARA SEGURO@CICLISMO.ESP.BR
Nosso "BUSCA BIKES"
Ciclismo™ 2003 / 2020
De blusa ou camiseta?

ciclismo
contador de visitas para site

Últimos assuntos
» SEGURO PARA BICICLETA
Ter 3 Maio 2016 - 13:32 por Admin

» São Paulo - SP - Polêmica das ciclovias
Seg 13 Abr 2015 - 20:21 por Admin

» FOR SALE:2014 Bikes,Trek,Scott Genius,Specialized,Cannondale & Giant Anthem Bikes
Seg 24 Nov 2014 - 14:16 por bikemall1

» CTB Código de Trânsito Brasileiro para Ciclistas
Ter 27 Maio 2014 - 13:56 por cypriano

» SOROCABA - SP
Ter 13 Maio 2014 - 20:17 por sergio_moraes

» Opinião SCOTT Speedster 50 2013 x Specialized ALLEZ 2014???
Sab 30 Nov 2013 - 23:42 por Alan Ricardo

» scott scale 970 x specialized carve comp????
Qui 21 Nov 2013 - 17:55 por Valmir Dimas de Andrade

» Bike no Paraguai
Qui 21 Nov 2013 - 8:59 por Valmir Dimas de Andrade

» Ideias para Presente com Desconto?
Sex 25 Out 2013 - 16:32 por brendaaa-santos-86

» Mundial de BMX 2013 - final
Qua 9 Out 2013 - 11:14 por Admin

» Ciclofaixas em Nova Iorque
Qua 2 Out 2013 - 14:11 por Admin

» Ciclovia musical - São Paulo - SP
Sex 23 Ago 2013 - 13:33 por Admin

» VELOCIDADE MÉDIA EM PERCURSO DE TREINO SPEED
Qua 23 Jan 2013 - 10:44 por leoquimico

» Ass savers - salve seu traseiro
Ter 1 Jan 2013 - 14:02 por Admin

» Bicicleta de PAPELÃO
Sab 29 Dez 2012 - 21:49 por Admin

Junte-se ao "Team Paraná"

Mundo das Bikes!

Indique aos amigos!
FaceBikers - clique e entre nesse Grupo!
Social bookmarking

Social bookmarking Digg  Social bookmarking Delicious  Social bookmarking Reddit  Social bookmarking Stumbleupon  Social bookmarking Slashdot  Social bookmarking Yahoo  Social bookmarking Google  Social bookmarking Blinklist  Social bookmarking Blogmarks  Social bookmarking Technorati  

Partilhe com seus amigos e fique antenado!

Conservar e compartilhar o endereço de CICLISMO e CICLOATIVISMO em seu site de social bookmarking

Quem está conectado
1 usuário online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 1 Visitante

Nenhum

O recorde de usuários online foi de 71 em Sab 9 Jun 2012 - 9:51

Ações, omissões e afetividade!

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ações, omissões e afetividade!

Mensagem por Admin em Ter 8 Set 2009 - 13:52

Sobre o texto Bicicletas e a história afetiva da cidade”, publicado na Gazeta do Povo do dia 05 / 09 / 2009.

Alguns laços afetivos precisam de tempo para nascerem, ou se tornarem mais fortes. Todos nós temos um amigo (a) que, sabendo que teria de mudar de cidade, o fazia com uma certa cisma, com saudades antecipadas do que ficaria para trás.

É preciso um pouco de convivência, é preciso experimentar as novidades, é preciso histórias, e é preciso emoção para criar esse vínculo que chamamos de afeto. E me parece que temos muito pouco espaço para a emoção (a não ser as ruins, que sempre queremos esquecer). Não parece haver muito espaço para histórias. Resultados, eficiência e praticidade vêm primeiro. Esse laço afetivo que temos com a cidade que adotamos como nossa (para aqueles que, como eu, não nasceram aqui) parece não estar sendo correspondido. Tudo bem que a Curitiba pacata não existe mais, e não voltará a existir, mas o preço individual / pessoal está se tornando muito alto.

Para ficar apenas no exemplo do trânsito (que tem TUDO a ver com nosso dia a dia nas bikes), o “Jornal Estadual” tem exibido há quase dois meses a campanha "Respeito ou Morte", como parte da estratégia do governo de “re-adestrar” os motoristas que circulam nas veias desse organismo vivo. Resta concluir que nós, meros micro-organismos, precisamos nos adequar. Mas e as NOSSAS necessidades? Ao comparar o desenvolvimento (ou a vida) de uma cidade ao de uma pessoa, o Jorge (Goura) levantou uma questão interessante, para a qual não damos (ou deixamos de dar) importância. Se a biografia de uma cidade é constituída pela soma dessas histórias singulares, as ações (e omissões) de cada indivíduo podem mudar essa história, ou essa biografia. O fato de terceirizarmos as decisões elegendo representantes é pouco significativo, do ponto de vista prático.

É fato também que, para mudarmos “a biografia de Curitiba” precisaremos de novos esforços, ordenados e focados, para produzir ações e resultados mais palpáveis em prol dos seus habitantes, em prol da qualidade de vida dos seus habitantes.

Sabemos que esse capítulo – de desenvolvimento da cidade, com o crescimento acelerado de sua população – começou a ser escrito muito tempo atrás. À época de sua concepção, ouso imaginar que não havia sequer vislumbre das necessidades atuais. E se o objetivo era transformar a capital em uma potência econômica – e o fato de termos um grande crescimento prova isso – as idéias apresentadas foram muito bem aceitas. Lembro de uma das linhas de raciocínio (com a qual concordo) que dizia que os habitantes precisavam "gostar da sua rua", para daí poderem realmente demonstrar esse sentimento e assim, evidenciar o quanto a cidade era querida. A idéia deu certo. Demais até, como se vê - já que essa propaganda trouxe muita gente para cá, e esse imenso crescimento / desenvolvimento parece não ter sido totalmente previsto. Eu gostei da minha rua, do bairro onde eu morava e de todos por onde eu passava.

A qualidade de vida que se tentava colocar à disposição era também um meio promocional, mais do que um fim? Talvez parte da estratégia. Funcionou. Mas sou só eu que acho que os espaços urbanos de lazer criados àquela época deixaram na nossa boca um gostinho de “quero mais”? Ficou uma certa melancolia misturada com saudade, daqueles dias em que podíamos sair quase a qualquer hora sem medo de atos violentos, e isso nem faz tanto tempo assim.

Essa cidade, cuja biografia estamos escrevendo hoje (escrita por seus governantes, seus assessores, e também por seus moradores) pode ser brilhante e divertida, e pode ter um belo currículo a lhe abrir as portas, mas precisa que nós, que somos parte de sua biografia, a tragamos de volta a razão. Em meio à sua história houveram boas decisões, mas precisamos de mais. Mais vontade, mais cobrança, mais ousadia.

Voltando às ações e omissões: entendo que, antes, ser ousado era mais simples, pois havia um grande objetivo que era comum e outros, secundários, facilmente podiam ser deixados em segundo plano. Mas cresceu a cidade e cresceu a população, cresceram os problemas, e cresceu muito o número de necessidades e objetivos distintos, tanto individuais quanto coletivos.
Agora, ser ousado é um risco. Mas existe um risco maior: o de que as pessoas fiquem eternamente em segundo plano nas políticas públicas, recebendo vez por outra ações (atenções) paliativas destinadas a minimizar situações aparentemente consideradas apenas como pontuais. Acredito piamente que nosso maior defeito é querer resolver o problema que temos HOJE, que sabemos que nasceu há muitos ONTENS, e que AMANHÃ, quando finalmente estivemos perto de resolver, já terá mudado. Será um problema diferente!

Sempre que estou guiando grupos, não meço esforços para que as pessoas se envolvam umas com as outras, para que surja emoção, entre elas, para que tenham histórias em comum, e que com isso a viagem valha mais ainda a pena. Nessa cidade, precisamos de locais para contar histórias.

Minha primeira sugestão: aos domingos, das 09:00 às 13:00 horas, a Avenida Visconde de Guarapuava, por exemplo, teria uma das pistas fechada para o trânsito de carros em toda a sua extensão, ficando exclusivamente para bicicletas, skates, pedestres, patinadores e etc. Esse seria um novo espaço de viver momentos alegres e criar novas histórias. Essa iniciativa poderia ocorrer também em vários bairros, com ruas sendo destinadas ÀS PESSOAS, PARA QUE AS PESSOAS que nela vivem possam redescobrir o prazer de andar por elas, brincar nelas, ou simplesmente sentar à beira da rua e olhar os que passam.

Isso sim seria ousado, isso seria pensar nas pessoas. E pensar nas pessoas pode ser o nascimento de um laço afetivo!

Texto da "Gazeta do Povo":
http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=921516&tit=Bicicletas-e-a-historia-afetiva-da-cidade

Abraços,

Jhansen R. Machado


Última edição por Admin em Sex 29 Jul 2011 - 11:26, editado 9 vez(es)
avatar
Admin
Master

Masculino
Número de Mensagens : 515
Idade : 49
Humor : ácido, constante
Data de inscrição : 21/02/2008

http://www.ciclismo.esp.br

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ações, omissões e afetividade!

Mensagem por Cezartri em Qua 9 Set 2009 - 11:41

Olá! Aproveitando esse pensar sobre a cidade, gostaria de ouvir sugestões a respeito do espaço atualmente ocupado pelas canaletas e que, depois do tal metrô, seria transformado em espaço de convivência. Como ocupar as atuais canaletas?

Ainda sobre discussão do espaço público, convido aqui para que acessem nosso blog e ajudem na discussão:

- O metrô curitibano e “nóis na fita”;


- Sobre o Trânsito e a Filosofia;


- “Nós” é maior do que eu, tu, ela, ele, vós, eles, elas…;


- Sobre o útil e o agradável;


- Ainda sobre o transporte nas cidades…;


- Fim da GM, início de outra discussão…


Obrigado e um abraço!
Nilton Cezar Tridapalli
http://midiaeducacao.wordpress.com

Cezartri

Masculino
Número de Mensagens : 2
Idade : 43
Localização : Curitiba - Alto da XV
Data de inscrição : 16/08/2009

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum